Gestão ambiental empresarial: tudo que você precisa saber para aplicar na sua construtora

Mãos de um home, vestindo uma luva verde e uma roupa azul, instalando uma placa que capta energia solar.

Conquistar investimentos, tornar-se referência no mercado e ser almejada pelos talentos mais cobiçados do setor de construção são características que levam tempo para serem alcançadas por uma empresa. Porém, quando uma companhia adota a gestão ambiental empresarial, esse caminho se torna mais curto e as vantagens são imediatas.

Adequar-se aos meios de produção que não agridem o meio ambiente ou que tenham o mínimo impacto sobre ele, é urgente. Com o aumento das políticas de proteção ao ecossistema e inovações na tecnologia, uma empresa que não se alinha ao mundo atual é automaticamente considerada obsoleta. E não estamos falando apenas dos métodos de trabalho, mas sim, da mentalidade organizacional.

Além de proporcionar benefícios para o negócio, adotar a gestão ambiental, também chamada de sustentável, traz inúmeros efeitos positivos ao planeta no longo prazo — missão que deve estar na pauta das reuniões de projetos de produtos desde sua concepção à entrega ao cliente final. 

Quer saber sobre o tema? Neste artigo, falaremos sobre o que é gestão ambiental empresarial e tudo o que você precisa saber para aplicá-la em sua construtora. Continue a leitura!

O que é gestão ambiental empresarial?

No mundo da construção civil, materiais e equipamentos tem uso e descarte quase que na mesma velocidade, o que torna essa cadeia um verdadeiro gargalo de resíduos. E é nesse aspecto que a gestão ambiental empresarial surge como a solução adequada. 

Em uma empresa, ela estabelece formas mais sustentáveis de se produzir, economizando recursos e poupando a vida ambiental no planeta.

Dessa maneira, gerir a questão ecológica dentro de uma organização envolve todos os processos de:

  • produção;
  • logística;
  • venda;
  • gestão de funcionários;
  • descarte de materiais.

Assim, uma rede de ações sustentáveis leva enormes benefícios para cada elo da cadeia produtiva de uma construtora e de qualquer outra empresa.

Quais são as principais características da gestão ambiental em empresas?

Para que uma empresa faça uma gestão sustentável de fato, é necessário seguir determinados aspectos dentro desse conceito. Assim, ela reforça a construção de uma política interna e de padrões que se alinhem aos fundamentos ecológicos.

Abaixo, confira as principais características da gestão sustentável em construtoras. 

Decoração eco-friendly

Uma empresa que investe em tecnologias e acredita no potencial benéfico de um mundo mais sustentável deve demonstrá-lo na prática, ou seja, no uso de materiais e em seus procedimentos.

Por exemplo, usar revestimentos e materiais que sejam obtidos da reciclagem na própria sede da empresa, prova que a companhia está preocupada com essa questão. Assim, acabamentos e pisos feitos com resíduos do poliestireno expandido são materiais da chamada decoração eco-friendly, ou seja, é um décor “amigo do meio ambiente”.

Esse modo de decorar leva maior durabilidade a uma obra, além de não agredir o meio ambiente como as construções convencionais.

Uso de recursos naturais de forma racional

Em uma empresa, a principal marca de uma gestão sustentável é o uso inteligente dos recursos naturais para produção. Reduzir o uso de água e energia elétrica é o básico, portanto, é preciso ir além dessas ações. 

Alguns exemplos de como utilizar esses recursos são: sistema de energia solar e reúso de água captada da chuva.

Aplicação de métodos que visem a manutenção da biodiversidade

Importar-se com a comunidade local que cerca uma organização deve ser prioridade na gestão ambiental empresarial. Assim, é essencial estudar e desenvolver formas de impactar, o menos possível, a localidade para garantir a biodiversidade.

Plantar árvores e colaborar em programas locais de reciclagem são alguns dos diversos exemplos que fortalecem essa biodiversidade.

Adoção de sistemas de reciclagem de resíduos sólidos

Todos os materiais utilizados dentro de uma construtora geram resíduos, por isso eles devem ser reciclados e incorporados nas estratégias de gestão ambiental empresarial.

A maneira de fazer esse reaproveitamento pode ser desenvolvida pela própria organização, o que é melhor do ponto de vista de praticidade e desenvolvimento fabril, ou ser terceirizada por uma empresa especializada. Assim, a reciclagem de resíduos da construção civil — como madeira, telhas de barro, pisos cerâmicos — terão um destino correto.

Manutenção da logística reversa

A logística reversa é uma prática que faz com que produtos usados e descartados pelos lojistas, clientes finais e distribuidores tenham um destino adequado. E isso se dá por uma estrutura bem organizada de devolução e reúso.

Nesse processo, qualquer material vendido ou utilizado entra em um ciclo de devolução que pode ser feito em pontos estratégicos de uma cidade, como em lojas.

Assim, a empresa produtora do material recolhe o que seria descartado em lixo comum e faz a reciclagem, seja interna ou terceirizada. Isso gera a chamada economia circular, que está sempre se retroalimentando.

Como implementar a gestão ambiental em empresas?

Para aplicar a gestão ambiental empresarial é preciso traçar um plano consistente e buscar os meios adequados para alcançá-los.

Veja um passo a passo para implementar essa gestão em uma empresa:

  1. mapear todos os processos e identificar quais geram impactos no meio ambiente;
  2. relacionar todos os impactos no ecossistema;
  3. montar um plano de possíveis soluções para cada impacto gerado no meio ambiente;
  4. criar metas para mudar tais impactos;
  5. buscar formas de transformar os processos em cadeias mais sustentáveis, com respeito a cada política ambiental e do setor;
  6. desenvolver uma equipe interna para soluções ecológicas ou contratar uma consultoria em gestão ambiental empresarial.

Quais são os principais benefícios da gestão sustentável para a empresa?

Entender os benefícios que uma gestão ambiental traz para a instituição é um grande motivador para ativar políticas sustentáveis na organização.

Ao implementar essa gestão na sua construtora, você:

  • potencializa a chance de atrair investimentos e ser admitido em financiamentos e programas governamentais para empresas;
  • reduz o risco de acidentes ambientais e consequentemente multas e processos judiciais;
  • melhora a reputação da companhia perante o mercado;
  • aumenta a busca pelos produtos e serviços da empresa;
  • estimula o mercado a aderir às práticas sustentáveis;
  • aumenta o engajamento da equipe;
  • reaproveita materiais e aumenta os lucros;
  • contribui para a produtividade;
  • impulsiona as vendas;
  • atrai novos clientes;
  • aumenta a receita;
  • evita prejuízos.

Como identificar o nível de sustentabilidade da empresa?

A gestão sustentável tem três níveis, cada um com suas características. Logo, é preciso analisar em qual deles sua companhia se encontra e fazer os ajustes necessários para evoluir para a próxima categoria.

É importante reforçar que há uma ordem crescente dentro dos três níveis para mostrar que a empresa está em avanço. A seguir, confira quais são eles.

1. Nível de controle

Esse é o primeiro nível de uma gestão ambiental empresarial, identificado como um estágio em que a empresa responde às exigências ambientais de forma reativa. Ou seja, realiza as mudanças necessárias de acordo com as demandas da comunidade local e legislação do meio ambiente.

Assim, esse nível concentra as ações primárias, como o descarte adequado de resíduos sólidos e líquidos. Portanto, as medidas colocadas em prática na empresa estão bastante reunidas na área de produção e não de planejamento e gestão.

2. Nível de prevenção

O nível preventivo é mais direcionado às ações administrativas e está além das realizações da área produtiva.

Assim, entram como princípios desse segundo estágio de gestão ambiental:

  • a padronização de processos internos de preservação do ecossistema;
  • escolha de fornecedores alinhados com práticas sustentáveis;
  • busca por certificações de qualidade ambiental.

Dessa maneira, o nível de prevenção já mostra a eficiência e a procura ativa da empresa em se encaixar nas normas ambientais, como também em sinalizar as devidas autoridades e órgãos para atestar as boas maneiras praticadas na organização.

Portanto, essa é uma etapa em que a preocupação com o meio ambiente e o novo mercado é enraizada na cultura e política da instituição.

3. Nível de proatividade

Esse é o nível de excelência da prática da gestão ambiental empresarial. Demonstra que a organização está em um alto nível de maturidade e autonomia para a tomada de políticas e ações em prol do meio ambiente. Assim, ele é feito de maneira estratégica e com amplo impacto na sociedade.

É também um estágio em que toda a cultura da empresa busca ações com base em medidas ambientais. Portanto, com esse pilar, a construtora se certifica de que seus projetos terão o menor impacto possível no ecossistema.

Nesse artigo, observamos que implementar a gestão ambiental empresarial em uma companhia leva tempo e exige o amadurecimento que começa na alta gerência e se difunde pelos demais trabalhadores. Assim, forma-se um “efeito cascata” que será disseminado a todos os elos que compõem a organização: funcionários, fornecedores, clientes, comunidade local e sociedade civil.

Cuidar do meio ambiente é também um motivo para pensar em toda a cadeia produtiva daqui em diante. Dadas as condições de que os recursos são escassos — ou seja, não são infinitos — torna-se necessário o investimento em uma gestão que se preocupa com o futuro do planeta.

A Santa Luzia tem como princípio a preocupação com a sustentabilidade! Quer saber mais? Acesse nosso site e conheça!

  • Santa Luzia Brasil BRA
  • United States USA
  • Santa Luzia Europa Europa
  • Blog Santa Luzia USA
  • Youtube Santa Luzia
  • Facebook Santa Luzia
  • Instagram Santa Luzia

    SUSTENTABILIDADE POR PRINCÍPIO

  • Santa Luzia - Green Building Council
  • Santa Luzia - Green Building Council Brasil
pt_BRPT_BR