Arquitetura bancária: 4 coisas que não podem faltar no seu projeto

A arquitetura bancária é um elemento fundamental no repasse de credibilidade e segurança da instituição financeira.

A arquitetura bancária é um elemento fundamental no repasse de credibilidade e segurança da instituição financeira.

O projeto exige um cuidado maior, com o uso de objetos e tons mais sóbrios, a fim de mostrar que a agência está preparada para solucionar qualquer questão envolvendo os clientes.

Ao mesmo tempo, é preciso garantir que o ambiente de trabalho seja acolhedor e estimule a produtividade dos profissionais.

Como alcançar esse equilíbrio? A resposta passa por alguns itens que não podem faltar no projeto. A seguir, apresentamos 4 deles. Confira!

O que é importante na arquitetura bancária?

A arquitetura bancária é um projeto específico e que apresenta alguns desafios. De um lado, é necessário oferecer modernidade. De outro, é preciso garantir que a imagem institucional seja reforçada para os clientes.

Tudo isso está ambientado em um contexto de digitalização dos serviços. Ou seja, é preciso fortalecer essa imagem, deixando claro que é possível:

  • ser eficiente;
  • automatizar atividades;
  • manter intactas a reputação e segurança.

O que não pode faltar na arquitetura bancária?

O projeto de decoração e arquitetura dos bancos deve priorizar a praticidade e funcionalidade.

Para assegurar essa imagem, o projeto de decoração e arquitetura dos bancos deve priorizar a praticidade e funcionalidade. Por mais que pareça simples fazer algo com esse propósito, é preciso ter atenção aos vários detalhes visando chegar ao melhor resultado.

A seguir, confira os elementos que não podem faltar no seu projeto:

1. Revestimentos

O revestimento é uma camada externa que faz a cobertura da alvenaria. Alguns exemplos são pastilhas, azulejos e cerâmicas. No caso do projeto de arquitetura bancária, é importante escolher os melhores lugares e materiais para implementá-lo.

De modo geral, esse elemento é inserido nas paredes e nos pisos. Inclusive, é possível escolher um revestimento para o hall de entrada. Essa escolha pode ser feita pelo arquiteto, desde que mantenha a sobriedade necessária. O mais importante é pensar no material.

Isso porque alguns deles são difíceis de manter e limpar. Aqui, vale a pena escolher um material imune a mofo, umidade e pragas. Afinal, a limpeza fica mais simples e garante à agência o ar de sobriedade necessário.

Além disso, é melhor escolher uma cor neutra. Ainda assim, é possível dar um toque a mais. É o caso de escolher um revestimento branco com friso dourado ou em cobre, por exemplo.

Outro toque diferenciado é o formato do revestimento. Pode ser um hexágono ou um retângulo disposto em zigue-zague. Fica discreto, mas passa a sensação de modernidade necessária. Por isso, é um material indicado para o escritório do gerente e a sala de espera, por exemplo.

2. Terminais de acabamento

Terminais de acabamento garantem ângulos retos e escondem imperfeições.

Os terminais de acabamento servem para finalizar a decoração e dar um toque bonito em cantos e no encontro com as barras de rodapés. Esses elementos evitam que você se preocupe com os cortes retos e ângulos perfeitos, já que cobre imperfeições.

Por isso, os terminais de acabamento fazem toda a diferença na arquitetura bancária. Afinal, passam a sensação de integridade e confiança por ocultar as junções indesejadas e assegurar a continuidade visual.

Além disso, os desperdícios por erros de corte e instalação são reduzidos. Esse elemento pode ser usado em todos os ambientes, como:

  • sala de espera;
  • escritório do gerente;
  • área de saque de dinheiro.

3. Rodapé

Um rodapé de qualidade eleva o a decoração do ambiente.

Os rodapés também são essenciais na arquitetura bancária e devem ser usados em todos os locais, até mesmo nos banheiros. Por isso, vale a pena escolher um material resistente à água e que não mofa nem apodrece.

O tipo de rodapé escolhido ajuda a realizar outras boas práticas nos projetos das agências. Por exemplo, colocar um piso elevado para acomodar dutos, cabos de eletricidade, calhas e mais. Assim, a fiação fica escondida.

4. Guarnições

Apostar em cores neutras passa uma sensação de confiança e sobriedade.

A guarnição arremata a duela da porta e traz um resultado mais requintado. Além disso, ajuda a passar a sensação de integridade ao cliente. Normalmente, a cor utilizada é a mesma do rodapé, para deixar mais discreto.

O material deve ser resistente à água, já que você precisará inserir em todos os ambientes — inclusive, nos banheiros. Assim, você combina rodapé com guarnição, garante praticidade na limpeza e deixa os seus clientes satisfeitos e confortáveis.

Todos esses elementos complementam outros itens básicos em um projeto de arquitetura bancária. Entre eles estão:

  • conforto acústico;
  • entrada de luz solar;
  • áreas de convivência;
  • móveis ergonômicos e sob medida.

Todos os itens abordados neste post são comercializados pela Indústria Santa Luzia. A fabricação é feita em poliestireno expandido (EPS), o famoso Isopor®. O material atende a todas as exigências dos projetos de arquitetura bancária e garante o melhor resultado possível com o máximo custo-benefício.

Então, que tal conhecer as opções da Indústria Santa Luzia? Acesse a página de produtos e conheça as possibilidades.

  • Santa Luzia Brasil BRA
  • United States USA
  • Santa Luzia Europa Europa
  • Blog Santa Luzia USA
  • Youtube Santa Luzia
  • Facebook Santa Luzia
  • Instagram Santa Luzia

    SUSTENTABILIDADE POR PRINCÍPIO

  • Santa Luzia - Green Building Council
  • Santa Luzia - Green Building Council Brasil
pt_BRPT_BR